W. B. Yeats traduzido por Luis Gustavo Cardoso


NÃO HAVIA UMA SEGUNDA TRÓIA

Por que eu deveria culpá-la por ter enchido
de miséria meus dias, ou por ter depois ensinado
a homens ignorantes as mais violentas vias,
ou impelido as ruas pequenas sobre as grandes,
tivessem senão tanta coragem quanto desejo?
O que poderia tê-la feito plena de paz com uma cabeça
que a nobreza forjou simples como o fogo,
com a beleza de um arco envergado, uma
que não é natural em tempos como estes,
sendo altiva e solitária e sobretudo austera?
Por quê? Que mais ela poderia ter feito, sendo quem é?
E por acaso havia outra Tróia para ela destruir?

*

NO SECOND TROY

Why should I blame her that she filled my days
With misery, or that she would of late
Have taught to ignorant men most violent ways,
Or hurled the little streets upon the great,
Had they but courage equal to desire?
What could have made her peaceful with a mind
That nobleness made simple as a fire,
With beauty like a tightened bow, a kind
That is not natural in an age like this,
Being high and solitary and most stern?
Why, what could she have done, being what she is?
Was there another Troy for her to burn?


A AURORA

Eu seria ignorante feito a aurora
que mirava abaixo
aquela velha rainha medindo uma torre
com o ferro de um broche,
ou os homens decaídos que viam
da sua pedante Babilônia
os planetas descuidados em suas rotas,
o alheamento das estrelas em que a lua entra.
E pegavam seus tablets e faziam contas;
Eu seria ignorante feito a aurora
que apenas ficava, batendo no carro brilhante
sobre os ombros nebulosos dos cavalos;
Eu seria – pois saber algum vale a pena embora –
Ignorante e devasso como a aurora.

*

THE DAWN

I would be ignorant as the dawn
That has looked down
On that old queen measuring a town
With the pin of a brooch,
Or on the withered men that saw
From their pedantic Babylon
The careless planets in their courses,
The stars fade out where the moon comes.
And took their tablets and did sums;
I would be ignorant as the dawn
That merely stood, rocking the glittering coach
Above the cloudy shoulders of the horses;
I would be — for no knowledge is worth a straw —
Ignorant and wanton as the dawn.


Luis Gustavo Cardoso é músico e escritor. Publicou o livro de poemas Noite Grande, Editora Areia, 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: